CRCD

Centro de Referência de Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolições

Maquinário da usina é capaz de separar o concreto do ferro dentro da obra demolida fotos: JL Rosa

Em 1977, o empresário Marcos Kaiser levou para o Sindicato da Construção Civil do Ceará (Sinduscon-CE) uma ideia que soou como utópica e sem chances de ser concretizada. Ele propunha o uso de todo o entulho das construções demolidas para a fabricação, após processo de reciclagem, de novos imóveis.

Os mais céticos chegaram a dizer que “o cara era um lunático, um louco”. Passados 15 anos, o “devaneio” se transformou num rentável negócio e, o que é mais importante para a sociedade, trazendo ganhos para a natureza, que é poupada para obtenção de matéria-prima a ser usada no processo produtivo de novos materiais de construção.

Pioneira na região do Nordeste, a Usina de Reciclagem de Fortaleza (Usifort) vem expandindo suas atividades e atualmente é capaz de processar 200 toneladas de resíduos por hora.

Sem impacto

“Hoje, a Política Nacional de Resíduos Sólidos torna obrigatório o aproveitamento de tudo aquilo que pode ser reutilizado. Ela, portanto, tornou o reúso e a reciclagem obrigatórios. Em relação aos entulhos, os ganhos são expressivos pois, além de evitarmos novas intervenções danosas na natureza, evitamos, por exemplo, o impacto de mais caminhões rodando, gastando combustível e produzindo monóxido de carbono”, explica.

Através do uso de tratores, o entulho, já parcialmente triturado, é encaminhado até uma pulverizadora a fim que os diversos materiais sejam segregados

A Usifort, localizada no quilômetro seis da BR-116, tem estocado 300 mil metros cúbicos de resíduos resultantes de demolições. O montante é suficiente para a construção de 50 mil casas, segundo Marcos Kaiser. Com o que um dia foi tratado como entulho ou lixo, a usina fabrica uma linha de produtos ecológicos que inclui a brita, concreto, brita corrida, meio-fio, manilhas, boca-de-lobo, estacas, tampa para bueiros, pó de pedra e multimistura.

Tijolo ecológico

Além desses itens, um dos carros-chefe da empresa é o tijolo ecológico. Ele é feto do chamado resíduo classe “A” reciclado e misturado ao cimento. É prensado e curado, no mínimo, por um período de sete dias. O processo não utiliza a queima de lenha. Marcos assegura que “ele pode ser utilizado em qualquer tipo de edificação, principalmente onde se busca rapidez, o menor custo e a beleza no acabamento”.

A prática de recolher o entulho para reciclar na usina está dando lugar ao trabalho in loco. Graças à aquisição de um equipamento chamado pulverizador, capaz de fazer a separação do resíduo -concreto e ferro- na própria obra demolida e, através da unidade móvel de britagem, construir os tijolos. “A prensa hidráulica de blocos ecológicos nos permite não retirar um só grão de areia da natureza e não queimar nenhuma árvore, evitando soltar monóxido de carbono na natureza”, destaca o empresário Marcos Kaiser.

O tijolo ecológico é todo feito a partir do material que foi reciclado das construções demolidas e pode ser utilizado em qualquer tipo de edificação

Uma máquina chamada britadora/impactadora facilita o trabalho. Ela recebe o entulho, realiza a separação magnética do ferro e produz o agregado reciclado que vai ser usado para a confecção dos produtos. O plástico e a madeira que são separados no processo de reciclagem são encaminhados às cooperativas que trabalham com esses resíduos.

Gesso

Outro material que está sendo aproveitado em parte é o gesso. Sua destinação é o campo. “Pode ser utilizado como corretivo do solo. Exceto se tiver sido pintado. Nesse caso, por enquanto, não tem jeito, já que a tinta pode contaminar o solo por ocasião do período chuvoso”.

Para se ter uma ideia da precisão com que tudo é devidamente segregado, é possível encontrar na usina grande quantidade de paralelepípedos retirados das ruas antigas de Fortaleza, como a Barão do Rio Branco, por exemplo. Alguns deles, a julgar pelo tamanho- um pouco maior do que os convencionais-, são da época do Império.

Ocupando uma área de 30 mil metros quadrados, a usina negocia com a Prefeitura um espaço maior, de 50 mil metros quadrados. “O nosso objetivo é manter todo o resíduo produzido aqui mesmo na Cidade. Transferi-lo para outro local, além do impacto com o transporte indevido causa perda de arrecadação, pois os impostos pagos iriam para outra prefeitura”, frisa Kaiser.

Apartamentos

No local onde funciona hoje a Usifort, existe projeto para a construção de 580 apartamentos totalmente ecológicos. “Além do material usado na edificação dos imóveis, seu funcionamento será dos mais sustentáveis. A ideia é reaproveitar todo tipo de resíduo que for gerado, inclusive os orgânicos, que alimentarão um biodigestor que vai gerar o gás para consumo dos próprios moradores, além do reúso da água, somente para citar dois exemplos”.

Presidiários

Outra prática da usina que está sendo renovada é o uso da mão de obra de ex-presidiários. “Estamos em negociação com o Conselho Nacional de Justiça para firmarmos um convênio para ressocialização daquelas pessoas condenadas a cumprir penas alternativas. Essa é uma tradição nossa. Por aqui já passaram cerca de 50 ex-presidiários. A nossa ideia é colocar para trabalhar mais de mil deles na construção civil”, revela.

A empresa planeja a expansão dos negócios. Está prestes a abrir uma outra sede, desta feita, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), mais precisamente, no município de Caucaia. Uma área de aproximadamente 30 mil metros quadrados está sendo negociada com a Prefeitura local, às margens da BR-020, no quilômetro dois.

Dentre as principais obras realizadas em Fortaleza nos últimos anos com a participação da Usifort, podemos citar o recém inaugurado Centro de Feiras e Eventos, a Central de Pequenos Negócios (novo Beco da Poeira) e a Avenida Maestro Lisboa.

Estoque

300 mil metros cúbicos de resíduos sólidos (entulhos) estão estocados na Usifort, o suficiente para bancar a construção de nada menos que 50 mil moradias

Por Fernando Maia |diariodonordeste.globo.com
Categorias: Notícias

Parceiros

  • Instituto Nova Ágora de Cidadania - Inac
  • Fundação Banco do Brasil
  • Tecnologia Social
  • Prefeitura Municipal de Osasco